Procurar

Universidade dos Valores Verificado

 

A Universidade dos Valores está integrada num espaço multifacetado associado ao Palácio e Jardins dos Marqueses de Ponte de Lima, também denominada Quinta da Cerca, obra do século XVII decorrente de fases anteriores de edificação medieval sobre as fundações de um castelo gótico romano.

O Palácio

O Palácio pertence à zona de património protegido da Igreja de Santo André e foi construído sobre as fundações do castelo gótico romano de Mafra.

O Palácio dos Marqueses de Ponte de Lima é um edifício austero do século XVII, edificado pelo arquiteto régio Diogo Marques Lucas, que preserva, nas suas linhas simples, o caráter da arquitetura da época.

O período de maior fulgor desta casa, onde avultava a biblioteca dos Marqueses, os salões de tetos apainelados e a capela, ornamentada por um retábulo realizado pelo escultor Machado de Castro foi a primeira metade do séc. XVIII.
Era neste palácio que se acomodava regularmente o D. João V, quando viajava para Mafra para inspecionar o progresso do trabalho real no Palácio Nacional de Mafra.

O Jardim

Segundo diferentes relatos históricos, o Jardim do Palácio era organizado em caminhos e num denso bosque, onde emergiam estátuas, lagos, fontes e tanques, uma casa de fresco e duas capelas, cujo interior era ornamentado por retábulos saídos das mãos dos célebres escultores de Mafra.

A maior parte da área do Jardim foi recuperado após o abandono que o caracterizou durante várias décadas, compreendendo atualmente diversas instalações desportivas, vastos espaços verdes, caminhos pedonais, a Casa de Fresco e as Capelas.

O Museu dos Valores Universais

O Museu dos Valores Universais (MVU) é um lugar multifacetado de experiências e aprendizagens que combina cultura, educação, tecnologia, I&D e entretenimento, estimulando a reflexão sobre o papel de cada um de nós na sociedade através de atividades pedagógicas, jogos interativos, documentários e exposições temáticas.

Tem como objetivo educar para os valores e para a felicidade, distanciando-se de uma visão de vida materialista e privilegiando a dimensão espiritual, não dogmática, numa abordagem que investe na aprendizagem pela experiência, na descoberta da natureza, nas capacidades de autorreflexão, no contacto com a consciência individual e coletiva. Promove um ideal de desenvolvimento pessoal, social e cívico, harmonioso e integral que reúne qualidades de caráter, de relacionamentos harmoniosos e de responsabilidade cívica.